READING

Benefícios da união da Síndrome de Down com o espo...

Benefícios da união da Síndrome de Down com o esporte

Conheça como a união da Síndrome de Down com o esporte pode contribuir positivamente para mudar a vida de um ser humano especial.

A união da Síndrome de Down com o esporte tem sido estudada há alguns anos e, comprovadamente, melhorado a qualidade de vida das pessoas especiais.

Nos primeiros anos de vida, a estimulação precoce é fundamental para o desenvolvimento do bebê com síndrome de Down. Passada esta fase, o esporte é um aliado importante para promover o fortalecimento muscular e a socialização, entre outros benefícios. Veja abaixo o passo a passo para que a criança ou o adolescente comece a prática esportiva.

1) Descubra todas as vantagens que os esportes podem oferecer

De modo geral, praticar esportes melhora a saúde, promove o fortalecimento muscular e o condicionamento cardio-respiratório, além de prevenir obesidade e osteoporose. “A prática esportiva também é ótima para a socialização, integração sensorial, conhecimento do corpo e seus limites e desenvolvimento de autoestima”, explica Ana Claudia Brandão, pediatra especialista em síndrome de Down e colaboradora do Movimento Down.

2) Avaliação médica

O primeiro passo é fazer uma avaliação médica e/ou ortopédica para saber se a criança apresenta instabilidade atlanto-axial ou outro problema específico que precise ser levado em consideração para a prática de esportes.

3) Descubra o que a criança ou o adolescente tem vontade de praticar

Antes de buscar o melhor esporte para a pessoa com síndrome de Down, é muito importante descobrir qual é o melhor esporte para aquela criança ou adolescente. “Muitas vezes os pais acreditam que determinado esporte é bom para pessoas com SD e, sem consultar a criança, a matriculam. A criança precisa estar motivada para a prática esportiva, precisa ter determinadas habilidades, e sem isto, em vez de ser uma atividade prazerosa, vira um sacrifício”, explica Ana Claudia Brandão, pediatra especialista em síndrome de Down e colaboradora do Movimento Down.

4) Atenção para os esportes que precisam de maior supervisão

Ana Claudia explica que não há esportes proibidos, mas alguns demandam maior atenção e cuidado por conta de características específicas da síndrome de Down. “Os esportes que necessitam de alguma ‘truculência’ ou muita movimentação do pescoço, como o boxe ou o rugby, precisam ser bem supervisionados por causa da instabilidade atlanto-axial”, afirma. A corrida também é um esporte que requer atenção. “Devido à hipotonia e maior frouxidão dos ligamentos, pode ocorrer sobrecarga nas articulações. É importante, neste caso, um trabalho de musculação associado ao treino de corrida, tudo sempre supervisionado por profissionais capacitados (educador físico, fisioterapeuta e médico)”.

5) Atenção aos profissionais de educação física

É muito importante que o profissional de educação física responsável pela criança ou adolescente esteja atento a possíveis alterações ortopédicas e saiba motivar o aluno dentro de suas potencialidades. “Ele (a) deve estimular a superação sem exageros que possam comprometer a saúde das suas articulações ou sua saúde mental”, alerta Ana Claudia Brandão.

#gratoportudo #gratidão


Pela Redação do Grato Por Tudo, com informações do MovimentoDown.org. Foto Denys Kuvaiev.

Comentários

comments


INSTAGRAM
@gratoportudo